Liberdade Espiritual

SERMÃO Nº 9

SERMÃO MINISTRADO NA MANHÃ DE DOMINGO DO DIA 18 DE FEVEREIRO DE 1855 PELO REV. CHARLES H. SPURGEON, EM EXETER HALL, STRAND, INGLATERRA

“Onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade” — 2 Coríntios 3:17

A LIBERDADE é o direito natural de toda pessoa. Ela pode ter nascido na pobreza; pode ter sido abandonada; seus pais podem ser desconhecidos; mas a liberdade é seu direito inalienável. Ela pode ter a pele negra; pode viver sem educação e sem instrução; pode ser tão pobre quanto a própria pobreza; pode não ter sequer um palmo de chão para chamar de seu; pode não ter roupas para vestir, salvo os trapos que a cobrem — mas, por mais pobre que seja, a natureza a fez para ser livre — ela tem o direito de ser livre, e se não for, é um direito seu e ela não pode sossegar até conquistá-lo!
A liberdade é a herança de todos os filhos e filhas de Adão. Contudo, onde se pode encontrar liberdade sem religião? É verdade que todos os homens têm direito à liberdade, mas é igualmente verdade que não a encontramos em qualquer lugar, exceto onde está o Espírito do Senhor. “Onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade”. Graças a Deus, a Inglaterra é um país livre! Esta é uma pátria onde posso respirar e dizer que o ar não está poluído com o gemido de um único escravo. Quando meus pulmões inspiram, sei que o ar não está misturado com o vapor das lágrimas de uma só escrava, derramadas pelo filho que lhe foi tomado. Esta terra é o lar da liberdade. Mas, por que é assim? Para mim, não é tanto pelas nossas instituições quanto o é pelo Espírito do Senhor presente aqui — o espírito da religião pura e verdadeira! Houve uma época, lembrem-se, quando a Inglaterra não era mais livre que qualquer outro país, quando os homens não podiam falar abertamente sobre seus sentimentos, quando os reis eram déspotas, quando o Parlamento era apenas um símbolo. Quem conquistou a liberdade para nós? Quem abriu as nossas cadeias? Com a direção de Deus, digo que foram os homens religiosos — homens como o grande e ilustre Cromwell, os quais ou tinham a liberdade de consciência ou morriam — homens que, se não pudessem alcançar o coração dos reis, por serem insondáveis em sua astúcia, preferiam derrubar governos a serem escravos. Devemos nossa liberdade a esses homens — homens da estirpe dos Puritanos — homens que desprezaram o jogo dos covardes e não submeteram seus princípios ao controle do homem. E se alguma vez tivermos de manter a liberdade na Inglaterra (enquanto Deus permitir), será pela liberdade religiosa — pela religião. A Bíblia é a Carta Magna da antiga Bretanha! Suas leis, suas doutrinas quebraram nossos grilhões, e eles não podem ser religados enquanto homens, com o Espírito de Deus no coração, proclamarem suas verdades. Em lugar algum, salvo onde a Bíblia é aberta — em reino algum, salvo onde o evangelho é pregado — a liberdade pode ser encontrada! Andando por outros países, fala-se com apreensão; sente-se medo; sente-se como se uma mão de ferro estivesse sobre sua cabeça; como se uma espada pairasse no ar; não se é livre. Por quê? Porque se está sob a tirania causada pela falsa religião — ali não existe a liberdade do protestantismo e, até que ela chegue, não pode haver liberdade! Onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade, e em nenhum outro lugar. Os homens falam sobre ser livre — descrevem governos ideais, repúblicas platônicas ou paraísos owenistas(1), mas eles são apenas teóricos sonhadores. Pois, não pode haver liberdade no mundo, salvo “onde está o Espírito do Senhor”.
Comecei com esta ideia porque acho que as pessoas do mundo devem saber que, se a religião não as salvar, mesmo fazendo muito por elas, sua influência pode conquistar sua liberdade.
No entanto, a liberdade presente em nosso texto não é desse tipo — é uma liberdade infinitamente maior e melhor! Por melhor que seja a liberdade civil ou religiosa, a liberdade do nosso texto é muito mais transcendente. É uma liberdade, caros amigos, que só os cristãos podem desfrutar. Mesmo na Grã-Bretanha, há pessoas que ainda não provaram o doce sabor da liberdade. Há quem tenha receio de falar como homem, que se encolhe e se rebaixa, que se dobra e se humilha diante de qualquer um. Tal pessoa não tem vontade própria, não tem princípios, não tem voz; não tem coragem e não consegue se portar com independência! Livre é quem a Verdade torna livre. Quem tem a graça divina no coração é livre, não precisa se dobrar diante ninguém, tem o direito ao seu lado; tem Deus dentro do coração — é habitação do Espírito Santo. É alguém de sangue real do céu. É um nobre, cujo título de nobreza é verdadeiro; é um dos eleitos, distintos e escolhidos filhos de Deus, que não se curva nem se encolhe indignamente. Não! Essa pessoa, junto com  Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, vai mais rápido para a fornalha de fogo ardente — e junto com Daniel — vai mais rápido para a cova dos leões, do que abre mão dos seus princípios. Ela é livre, “onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade”, no mais pleno, elevado e amplo sentido! Que Deus lhes conceda, meus amigos, esse “Espírito do Senhor”, pois sem ele, mesmo num país livre, vocês podem ser cativos; e, mesmo onde não há servos no corpo, vocês podem ser escravos na alma. O texto fala de liberdade espiritual; portanto, agora, me dirijo aos filhos de Deus. A liberdade espiritual, meus irmãos, é desfrutada por mim e por você quando temos dentro de nós “o Espírito do Senhor”. No que isso implica? Implica em ter havido uma época quando não tínhamos tal liberdade — quando éramos escravos. Até há pouco tempo, todos nós que agora somos livres em Cristo, éramos escravos do diabo: éramos levados cativos por sua vontade. Falávamos em livre-arbítrio, mas o livre-arbítrio é um escravo. Nós nos orgulhávamos de poder fazer o que quiséssemos; mas, ah, que liberdade humilhante e ilusória nós tínhamos. Era uma liberdade fantasiosa. Éramos escravos das nossas paixões e concupiscências — escravos do pecado; mas agora estamos livres dele; fomos libertos do nosso tirano; alguém mais forte expulsou o poderoso homem armado e nós estamos livres.

Vamos, então, examinar um pouco mais de perto em que consiste a nossa liberdade.

1. Em primeiro lugar, meus amigos, “onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade” da escravidão do pecado. Ah! Sei que alguns ficarão emocionados quando eu falar sobre a escravidão do pecado. Vocês conhecem o significado desse sofrimento. De todos os tipos de escravidão e servidão deste mundo, nenhum é mais horrendo que a escravidão do pecado. Podemos falar de Israel no Egito, preparando tijolos sem palha. Podemos falar dos negros sob a chibata de feitores cruéis, e confesso serem estas servidões horríveis de suportar; mas há um tipo de escravidão ainda pior — a escravidão do pecador convicto quando é levado a sentir o peso da sua culpa; a escravidão de alguém cujos pecados ladram sobre ele como cães de caça sobre um cervo indefeso; a escravidão de alguém cujo peso do pecado está sobre seus ombros — um fardo pesado demais para sua alma suportar — um fardo que o levará para sempre às profundezas do tormento eterno, a menos que ele consiga escapar. Vamos dar uma olhada numa pessoa assim. Ela nunca tem um sorriso no rosto; está sempre carrancuda; está sempre séria e circunspecta; suas palavras são nostálgicas; suas canções parecem lamúrias; seu sorriso é triste; e, mesmo nos melhores dias, lágrimas quentes de angústia sulcam seu rosto como lava incandescente. Pergunte-lhe o que ela é e ela dirá: sou uma “infeliz”. Pergunte-lhe como ela é e ela confessará: sou a “miséria encarnada”. Pergunte-lhe o que será dela e ela afirmará: “estarei perdida para sempre nas chamas eternas, sem nenhuma esperança”. Ei-la sozinha em sua intimidade: quando deita a cabeça no travesseiro, levanta e começa tudo de novo; à noite, os tormentos povoam seus sonhos, e de dia, ela quase pode sentir aquilo com que sonhou. Assim é o pecador convicto sob a escravidão. Eu já fui assim, e vocês também, meus amigos. Falo com quem pode entender isso. Quem já passou pelo sombrio “Desfiladeiro do Desespero”, quem já atravessou o negro vale da penitência, quem já teve de beber o cálice amargo do arrependimento, sei que dirá “amém” quando eu disser que, de todos os tipos de escravidão, esta é a mais dolorosa — a escravidão da lei, o cativeiro da corrupção. “Desventurado homem que sou! Quem me livrará” dessa servidão? Entretanto, o cristão é livre; agora ele pode sorrir, embora antes tenha chorado; ele pode se regozijar, embora antes tenha lamentado. “Agora”, diz ele, “não há mais pecado em minha consciência; não há mais crime sobre o meu peito; não preciso mais caminhar pela terra com receio de cada sombra e de cada homem que encontrar, pois meu pecado foi lavado; não há mais culpa em meu espírito; ele é puro, é santo; não mais repousa sobre mim o desprazer de Deus; meu Pai está sorrindo: vejo Seus olhos — eles me olham com amor; ouço Sua voz — está cheia de ternura. Estou perdoado, estou perdoado, estou perdoado! Salve, Tu que quebras os grilhões! Glorioso Jesus! Ah! Ainda me lembro de quando senti o fim da escravidão. Vi Jesus na cruz bem diante de mim; pensei nEle e, quando meditei na Sua morte e no Seu sofrimento, pareceu-me vê-lO olhando para mim; e quando Ele me viu, olhei para Ele e disse:

“Jesus, amado da minh’alma,
Deixa-me reclinar a cabeça em Teu peito”.

E Ele disse: “Vem”, eu corri para Ele e O abracei; e quando Ele me soltou, fiquei me perguntando onde estava o meu fardo. Ele se fora! Lá, no sepulcro, lá estava ele, e me senti leve como o ar; como um silfo alado eu podia voar sobre as montanhas dos problemas e do desespero; ah, quanta liberdade e felicidade eu senti! Eu podia saltar de alegria, pois tinha muito a ser perdoado e fui liberto do pecado. Amados, esta é a primeira liberdade dos filhos de Deus. “Onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade” da escravidão do pecado.

          2. Liberdade da condenação do pecado O que é isso? A morte eterna — o sofrimento sem fim — esta é a triste condenação do pecado. Não é bom recear que, se eu morresse hoje, poderia estar no inferno. Para mim, não é uma coisa agradável ficar aqui e acreditar que, se eu caísse, iria parar direto nos braços de Satanás, e ele me atormentaria por toda a eternidade. Porque, senhores, este pensamento ia me torturar; ia ser a pior maldição da minha existência. De bom grado, preferiria estar morto e apodrecendo no túmulo a andar pela terra com a simples ideia de sofrer uma condenação como essa. Algumas pessoas sabem muito bem que, se morrerem agora, sua porção será o inferno. Não tente negar essa realidade; acredite na Bíblia e leia nela o seu destino: “quem, porém, não crer será condenado”. Você não pode se colocar entre os crentes. Ainda está sem Cristo. Você já está convicto dos seus pecados, a ponto de pensar que Deus não seria justo se não o punisse? Já sentiu o quanto tem se rebelado contra Ele com seus pecados ocultos, ah, os pecados ocultos, e com suas transgressões flagrantes, a ponto de achar que, se Ele não o punir, deveria deixar de ser Deus e abandonar Seu cetro? E, então, você treme, geme e clama com medo da condenação do pecado. Enquanto dormia, você sonhou que viu o lago de ondas de fogo, cujos vagalhões ardem com enxofre; e todos os dias andava na terra com pavor de que o próximo passo o lançasse no poço sem fundo. Mas você cristão, você está livre da condenação do pecado. Sabia disso? Consegue reconhecer isso? Neste exato momento você está livre da condenação do pecado. Você não só está perdoado, mas também nunca será punido por conta dos seus pecados, não importa o quão grandes ou assustadores eles sejam.

"No momento em que crê o pecador
E confia no Deus crucificado
Pela salvação no sangue redentor
Seu pecado é de vez perdoado."

E, assim, o crente nunca será punido por conta dos seus pecados. Crente punido? Não existe isso! As aflições desta vida mortal não são punições para os cristãos; são correções paternais, não condenações de um juiz. Para mim não haverá inferno; que ele queime e fumegue; se sou crente em Cristo, jamais minha porção será lá. Para mim não haverá tortura eterna, não haverá tormento, pois se sou justificado, não posso ser condenado. Jesus sofreu o castigo em meu lugar e Deus seria injusto se me punisse novamente; pois Cristo já padeceu e satisfez Sua justiça para sempre. Quando minha consciência me diz que sou pecador, eu digo a ela que estou no lugar de Cristo e Ele está no meu lugar. É verdade, sou pecador, mas Cristo morreu pelos pecadores. É verdade, mereço a punição; mas, se meu resgatador morreu, irá Deus cobrar duas vezes a mesma dívida? Impossível! Ele a cancelou. Nunca houve e nunca haverá um crente no inferno. Estamos livres da condenação e não precisamos mais tremer por conta dela. No entanto, por mais horrível que seja transgressões se é eterna, e sabemos que é, nada é para nós, pois nunca iremos sofrê-la. O céu abrirá suas portas de pérola para nos deixar entrar; mas os portões de ferro do inferno estão trancados para sempre para todos os crentes. Ah, gloriosa liberdade dos filhos de Deus!

3. Mas existe outro fator ainda mais surpreendente, e ouso dizer que algumas pessoas irão fazer objeções a ele; contudo, é a verdade de Deus e, se você não gosta, é melhor ler. Existe também a liberdade da culpa do pecado. Esta é a maravilha das maravilhas. A partir do momento em que passa a crer, o cristão não é mais culpado. Ora, se Sua Majestade, a Rainha da Inglaterra, em sua bondade, poupa um assassino, dando-lhe gratuitamente o perdão, esse homem não pode ser punido, mas ainda será culpado; a Rainha pode lhe conceder mil perdões, e a lei não pode tocá-lo, mas ele ainda será culpado; o crime estará sempre pairando sobre sua cabeça e ele será tido por assassino enquanto viver. O cristão, no entanto, não é apenas liberto da escravidão e do castigo, ele é também completamente absolvido da sua culpa. Ora, isso é surpreendente. “O quê?”, você diz, “Então o cristão não é mais pecador aos olhos de Deus?”. Eu lhe digo que ele, em si mesmo, ainda é pecador, mas, na pessoa de Cristo, não é mais pecador que o anjo Gabriel; pois, assim como são brancas as asas dos anjos, e impecáveis as vestes dos querubins, um anjo não pode ser mais puro que um pecador que se tornou mais alvo que a neve por ter sido lavado no sangue de Cristo. Entende, agora, como a própria culpa é tirada do pecador? Eis-me aqui, um traidor culpado e condenado; Cristo vem para me salvar; Ele me convida a sair da minha cela: “Ficarei no seu lugar; serei seu substituto; serei o pecador; toda a sua culpa será imputada a Mim; morrerei por isso; sofrerei por isso; assumirei todos os seus pecados”. Então, Ele se despoja das Suas vestes e diz: “Tome, vista-as; você será considerado como se fosse Cristo; você será o justo. Tomarei o seu lugar e você tomará o meu”. A seguir, Ele lança sobre mim o Seu manto glorioso de perfeita justiça e, quando o vejo, exclamo: “Que estranho, minh’alma, estás vestida com as roupas do meu irmão mais velho”. A coroa de Jesus está sobre minha cabeça, Seus trajes imaculados cingem meus lombos e Suas sandálias douradas calçam meus pés. E agora, existe algum pecado? O pecado está em Cristo; e a justiça está em mim. Justiça, chame o pecador! E a voz da Justiça diz: “Tragam o pecador!” O pecador é trazido. Quem é apresentado pelo carrasco? O Filho de Deus encarnado. É verdade, Ele não cometeu pecado; Ele não teve culpa; mas o pecado Lhe foi imputado: ficar no lugar do pecador. A justiça agora grita: “Tragam o justo, o perfeitamente justo”. Quem vejo? Ah, a Igreja é trazida, cada crente é trazido. A Justiça pergunta: “São estes os perfeitamente justos?”. “Sim, são eles”. O que Cristo fez é deles; o que eles fizeram foi colocado sobre Cristo; Sua justiça é deles; e seus pecados são Dele. Ímpios, eu lhes pergunto: “Isso não parece estranho e surpreendente?" Podem rir e dizer que é hipercalvinismo. Podem dizer o que quiserem. Deus o estabeleceu como Sua verdade; Ele nos fez justos por meio da justiça imputada de Cristo. E agora, se sou mesmo crente, estou livre de todo e qualquer pecado. Não há crime contra mim no livro de Deus; o registro foi apagado para sempre; foi cancelado; e não só não posso ser punido, como não tenho nada para ser punido. Cristo expiou o meu pecado e recebi a Sua justiça. “Onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade”.

           4. Fora isso, o cristão, além de liberto da culpa e da condenação do pecado, é liberto também do domínio do pecado. Todo mundo, antes de ser convertido, é escravo das concupiscências. Os ímpios se gloriam de viver e pensar livremente. Eles chamam a isso de liberdade — um copo cheio, orgias, gritarias, impudicícias e dissoluções — liberdade, senhor! Que o escravo mostre seus grilhões e os faça tinir em meus ouvidos, e diga: “Isto é música e eu sou livre”. Mas o coitado é um pobre maníaco. Que o homem acorrentado em sua cela, o louco de Belém, me diga que é rei e dê uma gargalhada horrível; e eu digo, “Ah, pobre coitado, sei que se considera rei, mas é néscio e louco”. Assim é com a pessoa do mundo que se diz livre. Livre? Ela é escrava. Ela acha que é feliz, mas de noite, quando se deita, quantas vezes não fica rolando na cama, insone e inquieta; e quando desperta, não diz: “Ufa, que dia foi ontem — que dia!” E, embora mergulhe em mais um dia de pecado, o “dia de ontem”, como um cão do inferno, rosna para ela e a persegue. Sabe, senhor — pecado significa cativeiro e escravidão. Já tentou se livrar dessa servidão? “Sim”, você diz, “já tentei”. No entanto, vou lhe dizer como terminou. Quando tentou, seus grilhões ficaram ainda mais presos; suas correntes ficaram mais apertadas. Um pecador sem a graça de Deus, tentando endireitar a si mesmo, é como Sísifo rolando a pedra morro acima, a qual sempre voltava com mais força. Um pecador sem a graça de Deus, tentando salvar a si mesmo, está empenhado numa tarefa tão desesperadora quanto a das filhas de Danau, que tentavam encher um grande tonel com baldes sem fundo. É como se tivesse um arco sem corda, uma espada sem lâmina, uma arma sem munição. Ele precisa de força. Concordo que até possa melhorar; mas será como se tivesse aterrado um vulcão para semear flores ao redor da sua cratera; quando o vulcão entrasse novamente erupção, jogaria a terra pra longe, e a lava incandescente rolaria sobre as belas flores plantadas e devastaria tanto suas obras quanto sua justiça. Um pecador sem a graça de Deus é um escravo: ele não pode libertar a si mesmo dos seus pecados. No entanto, com o cristão não é assim! Será ele escravo do seu pecado? É escravo quem é verdadeiramente nascido de Deus? Não, não é! Ele não pode pecar, pois é nascido de Deus; não pode viver na impureza, pois é herdeiro da imortalidade. Vós, miseráveis da terra, podeis ter propensão às obras do mal, mas os príncipes de sangue celestial perseguem os atos de justiça. Vós, pobres mundanos — vis e desprezíveis aos olhos de Deus — podeis viver desonesta e injustamente, mas não o herdeiro do céu; ele ama o Senhor, e está livre do poder do pecado; seu trabalho é justo e seu fim é a vida eterna. Somos livres do domínio do pecado.

5. Mais uma vez: “Onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade” em todas as atitudes santas de amor liberdade do medo servil da lei. Muitas pessoas são honestas por terem medo da polícia. Muitas se comportam por temerem a opinião dos outros. Muitas são aparentemente religiosas por causa dos seus vizinhos. Muita virtude é como o suco de uva — precisa ser espremida antes que se possa obtê-la; não é uma como uma generosa gota de mel, pronta para destilar livremente do favo. Ouso dizer que, se alguém não tem a graça de Deus, seu trabalho é apenas trabalho escravo; ele tem de fazê-lo. Sei que antes de receber a liberdade dos filhos de Deus, quando eu ia à Sua casa, era por achar que devia ir; quando orava, era por temer a ocorrência de algum infortúnio se não o fizesse; quando agradecia a Deus pela bênção recebida, era por achar que não receberia outra se não fosse grato; quando fazia algo de bom, era na esperança de ser galardoado no final e receber uma coroa no céu. Eu era um pobre escravo, um mero gibeonita, rachador de lenha e tirador de água (Josué 9:27). Eu vibrava quando podia deixar de fazer alguma coisa. Se fosse por minha vontade, eu nunca teria ido à igreja e nem teria religião — teria vivido no mundo e seguido os caminhos de Satanás, e teria feito o que bem quisesse. Quanto a justiça, eu era escravo; o pecado era minha liberdade. E você, cristão, qual é a sua liberdade? O que o faz ir à casa de Deus?

“O amor faz seus pés
Rapidamente obedecerem”

Qual o motivo para dobrar os joelhos em oração? É o prazer de falar com o Pai que o vê em secreto. Qual o motivo para por a mão no bolso e ser generoso? É o amor pelos filhos necessitados de Deus e o privilégio de poder devolver algo para Cristo pelo tanto que Ele já lhe deu. Qual o motivo para ser constrangido a viver honesta, justa e sobriamente? Seria uma cela de prisão? Não, a prisão poderia ser destruída, as sentenças condenatórias aniquiladas e as correntes lançadas no mar, e ainda assim seríamos tão santos quanto somos agora. Alguns dizem: “Então o senhor quer dizer que os cristãos podem viver como quiserem?” Gostaria que pudessem, senhor. Se eu pudesse viver como desejo, sempre viveria em santidade de vida. Se um cristão pudesse viver como deseja, iria viver como deve. O pecado, para ele, é escravidão; mas a retidão, um prazer. Ah, se pudesse viver como desejo, desejaria viver como devo. Se pudesse viver como anseio, viveria como Deus me ordena. A maior felicidade do cristão é ser santo. Não há escravidão para ele. Seja qual for a situação, ele não irá pecar; seja qual for a tentação, não fosse pelo mal que ainda resta em seu coração, ele jamais seria encontrado em pecado. A santidade é seu prazer; o pecado, sua escravidão. Ah, pobres cativos que vêm à igreja e à capela por obrigação; ah, pobres moralistas servis, honestos devido às algemas e sóbrios devido à prisão; ah, pobres escravos! Nós não somos assim; não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça. Podem nos chamar de antinomianos, se quiserem, e nos gloriaremos ainda mais nesse título escandaloso; estamos livres da lei, mas fomos libertos dela para obedecê-la ainda mais. O verdadeiro filho nascido de Deus serve o Mestre como nunca o fez. Como diz o velho Erskine:

“Sua adorável presença não se pode desprezar
Quando guiados por Sua bondade sem par
Tão logo o amor eterno mostre o seu poder,
Todos são constrangidos a obedecer;
Tal amor os faz em retidão andar
Mais puros que Adão antes de pecar.”

6. Para concluir: “Onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade” do medo da morte. Ó morte! Quantas delícias não amargaste! Ó morte! Quantas farras não terminaste! Ó morte! Quantos banquetes não estragaste! Ó morte! Quantos prazeres pecaminosos não tornaste em dor! Amigos, peguem um telescópio e olhem para o passado, para alguns anos atrás — o que veem? Lá longe, segurando sua foice, está a morte implacável. Ela vem vindo, vem vindo, vem vindo; e o que vem atrás dela? Bem, isso depende de cada um. Se vocês são filhos de Deus, há um ramo de palmeira; se não são, sabem o que vem depois da morte — o inferno. Ó morte! Teu fantasma tem assombrado muitas casas onde o pecado de outra forma teria reinado. Ó morte! Tua mão fria tem tocado muitos corações lascivos, fazendo-os começar a temer o seu crime. Ah, quanta gente é escrava do medo da morte. Metade das pessoas do mundo tem medo de morrer. Alguns loucos entram na boca de um canhão e alguns tolos se apresentam com as mãos ensanguentadas diante do tribunal do Criador; mas a maioria tem medo da morte. Quem não tem medo de morrer? Vou lhe dizer. O crente. Medo da morte! Graças a Deus, eu não tenho. A cólera pode vir novamente no próximo verão — rogo a Deus que isso não aconteça; mas se acontecer, não faz diferença para mim: vou trabalhar e visitar os doentes todos os dias e todas as noites, até cair; e se ela me pegar, morte repentina é glória repentina. E é assim com o mais fraco dos crentes neste recinto; o fantasma da separação não o faz tremer. Às vezes podemos temer, mas quase sempre nos regozijamos. Sentamos calmamente e pensamos na morte. O que é a morte? É uma portinhola pela qual você tem de se dobrar para entrar no céu. O que é a vida? É uma tela fina que nos separa da glória, a qual é gentilmente removida pela morte! Lembro-me da frase de uma boa senhora que dizia: “Se tenho de morrer? Tenho mergulhado meus pés no Jordão todos os dias antes do café da manhã nos últimos cinquenta anos e o senhor acha que só agora tenho medo da morte?” Morrer, amados, nós morremos centenas de vezes; “morremos dia após dia”; morremos toda manhã; morremos toda noite ao dormir; pela fé nós morremos; e, assim, quando a morte vier, será coisa do passado. Diremos: “Ah, morte! Somos velhos amigos; tens estado no meu quarto todas as noites; falo contigo todas as manhãs; tenho teu crânio em minha penteadeira; estou sempre pensando em ti. Morte! Tu virás, afinal, mas és uma convidada benvinda; és um anjo de luz e a melhor amiga que já tive”. Por que, então, temer a morte, se não existe o temor de Deus deixá-lo quando você morrer? Vou contar uma anedota sobre uma senhora do País de Gales que, quando estava às portas da morte, recebeu a visita de seu pastor. Ele lhe perguntou: “Irmã, a senhora está afundando?(2)” Ela não disse uma palavra, mas olhou para ele com um olhar incrédulo. Ele repetiu a pergunta: “Irmã, a senhora está afundando?” Ela olhou para ele novamente, como se não acreditasse nas suas palavras. Por fim, levantando-se um pouco da cama, ela disse: “Afundando? Afundando? O senhor já viu um pecador afundar através de uma rocha? Se eu estivesse na areia, poderia afundar; mas, graças a Deus, estou sobre a Rocha Eterna, e sobre ela, ninguém afunda”. Como é gloriosa a morte! Venham, anjos, venham! Oh, coortes do Senhor dos exércitos, abram, abram suas asas e nos levem da terra; oh, serafins alados, levem-nos acima do alcance das coisas inferiores; mas até que venham, eu cantarei:

“Uma vez que Jesus é meu, não temerei ser despido,
E, com prazer, das vestes de barro desprovido;
Morrer no Senhor é bênção da aliança,
Com Jesus na glória, mesmo na morte há segurança.”

            E agora, caros amigos, preciso rapidamente lhes mostrar o outro lado dessa liberdade. Tentei lhes dizer, em poucas palavras, de que somos libertos. No entanto, toda questão tem dois lados. Há também algumas coisas gloriosas para as quais fomos libertos. Não só fomos libertos do pecado, no que se refere à lei e ao medo da morte; também fomos libertos para fazer alguma coisa. Não vou me delongar muito, apenas discorrer sobre algumas coisas para as quais somos livres; pois, caros irmãos, “onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade” e essa liberdade nos dá certos direitos e privilégios.

Em primeiro lugar, somos libertos para o estatuto do céu. O céu tem um estatuto — uma Carta Magna — a Bíblia; e você, meu irmão, tem direito a ela. Eis uma passagem escolhida: “Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando, pelos rios, eles não te submergirão”. Você tem direito a isso. Eis outra passagem: “Porque os montes se retirarão, e os outeiros serão removidos; mas a minha misericórdia não se apartará de ti”. A isso também. Eis outro trecho: “tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim”. E ainda a isso. “Onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade”. A Bíblia fala sobre eleição: você tem direito a ela se for eleito. Fala também sobre a não condenação dos justos e sobre a justificação: são seus direitos também. Você tem direito a tudo quanto está na Bíblia. Ela é um tesouro inesgotável da infinita provisão da graça. Ela é o banco do céu; você pode retirar o quanto quiser, sem qualquer obstáculo ou impedimento. Não precisa levar nada com você, exceto sua fé. Tenha tanta fé quanto puder e você será bem-vindo a tudo quanto está na Bíblia. Nela não há promessa nem palavra que não sejam suas. Nas profundezas da tribulação, ela lhe dará consolo. Em meio às ondas de aflição, ela lhe dará ânimo. Quando as tristezas o rodearem, ela será o seu auxílio. Ela é o símbolo do amor do Pai: que ela nunca seja calada ou fique empoeirada. Você tem direito a ela — use, então, a sua liberdade.

           A seguir, lembre-se de que você tem acesso ao trono da graça. Para os ingleses, é um privilégio poder sempre recorrer ao Parlamento e, para os crentes, um privilégio poder sempre recorrer ao trono da graça. Tenho livre acesso ao trono de Deus. Se quiser falar com Ele amanhã de manhã, eu posso. Se hoje à noite tiver o desejo de conversar com meu Mestre, posso ir até Ele. Tenho livre acesso ao Seu trono. Não importa o quanto eu tenha pecado. Posso ir ao trono de Deus e pedir perdão. Não importa quão pobre eu seja, posso ir e reivindicar Sua promessa, e Ele providenciará tudo quanto for necessário. Tenho acesso ao trono em todos os momentos — na escuridão da noite ou no calor do meio-dia. Onde quer que eu esteja, mesmo se o destino me mandar para os confins da terra, sempre serei admitido ao Seu trono. Use esse direito, amado, use esse direito. Ninguém está à altura desse privilégio. Muitos vivem além de suas posses, gastando mais do que recebem, mas nenhum cristão faz isso — quero dizer, nenhum cristão vive à altura do seu rendimento espiritual. Ah, mas seu rendimento é infinito — um rendimento de promessas — um rendimento de graça; e nenhum cristão jamais viveu à altura desse rendimento. Alguns dizem: “Se tivesse mais dinheiro, eu teria uma casa maior, teria cavalos, carros e outras coisas”. Tudo bem, mas eu gostaria que os cristãos dissessem o mesmo. Gostaria que quisessem uma casa maior e coisas melhores para Deus; que se mostrassem mais felizes e enxugassem dos olhos suas lágrimas.

“A religião nunca foi designada
Para diminuir o nosso deleite.”

Com esse saldo no banco, e muito mais nas mãos, dado por Deus, você não tem o direito de ser pobre. Ânimo! Regozije-se! Regozije-se! O cristão tem de viver à altura da sua renda, não abaixo dela.

       Portanto, se vocês têm o “Espírito do Senhor”, caros amigos, vocês têm direito de adentrar à cidade. Muitos aqui são cidadãos londrinos, e ouso dizer que isso deve ser um grande privilégio. Não sou cidadão de Londres, mas sou cidadão de uma cidade muito melhor.

“Amado Salvador, se da cidade de Sião
Eu, pela graça, membro me tornar,
Mesmo havendo no mundo difamação
Em Teu nome vou me gloriar”.

Você tem livre acesso à cidade de Sião, mas não exerce esse direito. Quero dizer uma coisa para alguns de vocês. Vocês são bons cristãos, mas não querem se unir à igreja. Vocês sabem o que devem fazer, pois quem crê deve ser batizado; no entanto, receio que tenham medo de serem sufocados, pois não se unem. E assim, a mesa do Senhor é disposta todos os meses e é de livre acesso a todos os filhos de Deus, mas vocês não participam dela. Por quê? Ela é um banquete. Não creio que se eu fosse vereador da cidade iria perder o banquete municipal, e, sendo cristão, não posso perder o banquete cristão, pois a Santa Ceia é o banquete dos santos.

“Nem os anjos dos céus provaram amor maior
Que a graça redentora do nosso Salvador”

Algumas pessoas nunca participaram da mesa do Senhor; por isso, estão menosprezando Sua ordenança. Ele diz: “fazei isto em memória de mim”. Você tem acesso à cidade, mas não entra. Você tem direito de adentrar aos seus portões, mas continua do lado de fora. Entre, irmão, eu lhe dou a mão. Não fique mais do lado de fora da igreja, pois você tem direito de entrar.

             Assim, para concluir, você tem livre acesso a Jerusalém, a mãe de todos nós. Este é o melhor de todos os presentes. Somos livres para entrar no céu. Quando um cristão morre, ele conhece o “abre-te sésamo” para poder abrir as portas do céu; ele sabe a senha para escancarar seus portões; ele tem a pedrinha branca pela qual será reconhecido como um dos redimidos e poderá passar pelo bloqueio; ele tem o passaporte para deixá-lo entrar nos domínios de Jeová; ele tem liberdade para entrar no céu. E tu, não convertido, parece-me ver-te na terra das sombras, vagando para cima e para baixo à procura da tua porção. Chegas à porta do céu. Ela é grande e imponente. Nela está escrito: “Só os justos podem entrar”. Ali parado, procuras o porteiro. Um arcanjo alto aparece por cima do portão e tu dizes: “Anjo, deixa-me entrar”. “Onde está a tua veste?” Tu procuras, mas não achas nenhuma; tens apenas alguns trapos da tua própria confecção, mas nenhuma veste nupcial. “Deixa-me entrar”, tu dizes, “pois os demônios estão no meu encalço para me atirar no abismo do além. Por favor, deixa-me entrar”. No entanto, com um olhar silencioso, o anjo levanta o dedo e diz: “lê o que está escrito ali”, e tu lês, “Ninguém, exceto os justos, pode entrar”. Então, tu estremeces; teus joelhos batem um contra o outro; tuas mãos tremem. Teus ossos de bronze se derretem; tuas costelas de ferro se dissolvem. Ah! Lá estás tu, arrepiado, trêmulo e palpitante; mas não por muito tempo, pois uma voz horripilante te lança por terra e grita: “Aparta-te de mim, maldito, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos”. Ah, caros leitores, será essa a vossa porção? Meus amigos, porque vos amo, digo-vos hoje e espero sempre dizer: será essa a vossa sorte? Não tereis liberdade de entrar na cidade? Não buscareis o Espírito que dá liberdade? Ah! Sei que, por vós mesmos não o tereis; e alguns, talvez, jamais o tenham. Ó Deus, concede que este número seja bem pequeno e que o número dos salvos seja muito grande!

“Descansa, minh’alma, no resgate
Do grande Sumo Sacerdote
Do cativeiro Ele te libertou
Confia no sangue que derramou
Não temas ser banida por Deus
Pois, Jesus por ti morreu.”

(1) Robert Owen: rico industrial inglês nascido em Newtown, Montgomeryshire, País de Gales, que se transformou em um dos mais importantes socialistas utópicos mediante a criação de várias comunidades industriais.

(2) trocadilho intraduzível para o português, uma vez que o verbo sink pode significar tanto “afundar” como “piorar, decair” (4 4 become worse/sad ━ http://online.macmillandictionary.com/mc_au2/macmil.htm)
 

Tradução: Mariza Regina de Souza


4 de novembro - Devocional Matutina

“porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza” – 2 Coríntios 12:9

A principal qualificação para servir a Deus com um mínimo de êxito, e para fazer bem feita a Sua obra, é a percepção da nossa própria fraqueza. Quando o guerreiro de Deus sai à luta dependente da sua própria força, quando ele se gaba: “sei que vou vencer, pois meu braço e minha espada me darão a vitória”, a derrota não está longe. Deus não irá com o homem que marcha na sua própria força. Portanto, quem conta com a vitória, conta com a coisa errada, pois “não por força nem por poder, mas pelo meu Espírito, diz o SENHOR dos Exércitos”. Quem sai à luta gabando-se de suas proezas, voltará com seu belo estandarte arrastando no chão e com a armadura manchada de vergonha. Quem serve a Deus deve servi-lo do Seu jeito e na Sua força, ou Ele nunca aceitará seu serviço. Aquilo que o homem faz sem o auxílio da força divina, Deus não pode reconhecer. Ele lançará fora os frutos terrenos; Ele só irá colher o milho cujo grão foi semeado do céu, regado pela graça e amadurecido pelo sol do amor divino. Deus esvaziará tudo o que tens antes de colocar em ti Dele mesmo; Ele precisa primeiro limpar os teus celeiros antes de enchê-los com o trigo mais fino. O rio de Deus é abundante; mas nem uma gota brota de fontes terrenas. Deus não emprega nenhuma força em Suas batalhas, a não ser a Sua própria força. Lamentas a tua própria fraqueza? Tem coragem, pois é preciso haver consciência da fraqueza antes de Deus dar-te a vitória. Seu vazio é apenas preparação para ser cheio; e seu abatimento, apenas prontidão para ser exaltado.

Quando sou fraco, então, é que sou forte,
A graça é meu escudo e Cristo meu baluarte”

Tradução: Mariza Regina de Souza

22 de outubro - Devocional Matutina

“Eu voluntariamente os amarei” (Oseias 14, 4 - ARC)

Esta frase é um resumo da essência da teologia. Quem entende o seu significado é um teólogo, e quem consegue sondar a sua plenitude é um verdadeiro mestre em Israel. Ela é uma condensação da maravilhosa mensagem da salvação que nos foi dada em Jesus Cristo, nosso Redentor. O sentido repousa na palavra “voluntariamente”. Essa é a forma gloriosa, justa e divina pela qual o amor flui dos céus para a terra, um amor espontâneo jorrando sobre aqueles que não o mereceram, não o compraram e não o buscaram. Essa é, de fato, a única maneira pela qual Deus pode nos amar como nós somos. O texto é um golpe mortal em todo tipo de adequação: “Eu voluntariamente os amarei”. Ora, se houvesse necessidade de alguma adequação em nós, então Ele não nos amaria voluntariamente; isso seria, no mínimo, minimizar e desvalorizar a gratuidade desse amor. Mas a afirmação permanece “Eu voluntariamente os amarei”.  Nós nos queixamos: “Senhor, meu coração é tão duro.” “Eu voluntariamente os amarei.” “Mas não sinto necessidade de Cristo como gostaria.” “Não o amarei porque você sente necessidade; Eu voluntariamente o amarei.” “Mas não consigo sentir aquele quebrantamento da alma que gostaria.”  Lembre-se, o quebrantamento da alma não é uma condição, pois não há condições; a aliança da graça não tem qualquer condição, a fim de que, sem nenhum tipo de adequação, possamos nos aventurar nas promessas que  Deus nos fez em Cristo Jesus quando disse: “Aquele que nEle crer não será condenado.”  É uma bênção saber que a graça de Deus é livre para nós em todos os momentos, sem preparação, sem adequação, sem dinheiro e sem preço! “Eu voluntariamente os amarei”. Estas palavras são um convite para os  infiéis: na realidade, o texto foi escrito especialmente para eles: “Eu curarei sua infidelidade; Eu voluntariamente os amarei.” Infiel! Certamente a generosidade da promessa quebrantará de uma vez por todas o seu coração, e você retornará, e buscará a face magoada do Pai.

Tradução: Mariza Regina de Souza

21 de outubro - Devocional Matutina

“o amor de Cristo nos constrange” – 2 Coríntios 5:14

Quanto deves ao meu Senhor? Ele já fez algo por ti? Já perdoou os teus pecados? Já te cobriu com o manto de justiça? Já colocou os teus pés sobre a rocha? Já firmou os teus passos? Já preparou para ti um lugar no céu? Já escreveu o teu nome no livro da vida? Já te concedeu bênçãos incontáveis? Tem Ele para ti abundância de misericórdias, as quais olhos jamais viram, nem ouvidos ouviram? Então, faça algo digno do amor de Jesus. Não ofereça só palavras ao Redentor em agonia. Como você se sentirá quando seu Mestre vier e você tiver de confessar que nada fez por Ele, mas fechou sua boca, como uma poça d’água estagnada, que não fez transbordar o Seu amor aos pobres ou em prol da Sua obra? Fora com um amor como esse! O que as pessoas pensam de um amor não colocado em prática? Daí, dizerem: “melhor é a repreensão franca do que o amor encoberto”. Quem aceitará um amor tão fraco que não produz uma única atitude abnegada, generosa, heroica ou zelosa? Pense em como Ele o amou e Se deu por você! Você conhece o poder desse amor? Então, deixe que ele sopre como um vento impetuoso para varrer as nuvens de mundanidade da sua alma, e para limpar as brumas do seu pecado. Que “o amor de Cristo” seja a língua de fogo pousada sobre você; que “o amor de Cristo” seja o arrebatamento divino, o sopro celestial que o leva às alturas, o espírito divino que o torna arrojado como o leão e veloz como a águia no serviço do Senhor. O amor dá asas aos pés que trabalham e força aos braços que labutam. Firmados em Deus com constância inabalável, decididos a honrá-lo com determinação inflexível e prosseguindo com ardor jamais enfraquecido, manifestemos os constrangimentos do amor de Jesus. Possa o ímã divino nos atrair em direção ao próprio céu.

Tradução: Mariza Regina de Souza

13 de outubro - Devocional Matutina

“Porque a tristeza segundo Deus produz arrependimento.” 2 Coríntios 7:10
A genuína tristeza espiritual por causa do pecado é obra do Espírito de Deus. O arrependimento também é uma flor escolhida para crescer no jardim da natureza. Pérolas crescem naturalmente nas ostras, mas a contrição só se revela no pecador quando a graça divina opera dentro dele. Se tens um mínimo de ódio pelo pecado, foi Deus quem te deu, pois os espinhos da natureza humana não produzem um único figo. “O que é nascido da carne é carne”.
O verdadeiro arrependimento tem uma referência distinta para o Salvador. Quando nos arrependemos, precisamos ter um olho no pecado e outro na cruz, ou melhor, ter ambos fixos em Cristo, e ver nossas transgressões apenas à luz do Seu amor.
A verdadeira tristeza pelo pecado é eminentemente prática. Ninguém pode dizer que odeia o pecado, se vive nele. O arrependimento nos faz ver o mal do pecado, não somente na teoria, mas na prática, como uma criança que se queimou e tem medo do fogo. Como alguém que acabou de ser roubado ainda tem medo do ladrão, teremos tanto medo do pecado que vamos evitá-lo em todos os sentidos não só nas grandes coisas, mas também nas pequenas, como pessoas evitam cobras, sejam grandes ou pequenas. A verdadeira tristeza pelo pecado nos fará ter muito cuidado com a nossa língua, para não dizer algo errado; também ficaremos muito atentos às nossas atitudes diárias, para não causar nenhuma ofensa; toda noite fecharemos o dia com a dolorosa confissão das nossas faltas, e toda manhã despertaremos com uma oração pedindo o amparo de Deus para não pecar contra Ele.
O verdadeiro arrependimento é contínuo. Os crentes se arrependem até o dia da sua morte. Esse poço gotejante não é intermitente. Todas as outras tristezas passam com o tempo, mas esta amada constrição cresce com o nosso crescimento, e é de um amargo tão doce que damos graças a Deus por nos permitir gozá-la e sofrê-la até entrarmos no descanso eterno.
Tradução: Mariza Regina de Souza


10 de outubro - Devocional Matutina

“imaculados diante da sua glória” ━ Judas 1:24
“Imaculados”, pense bem nessa palavra maravilhosa! Nós estamos muito longe disso; mas, como nosso Senhor nunca para de aperfeiçoar a Sua obra de amor, um dia chegaremos lá. O Salvador que guarda o Seu povo até o fim, vai também apresentá-lo a Si mesmo como “igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito”. Todas as jóias da coroa do Salvador são de primeira grandeza e sem uma única imperfeição. Todas as damas de honra que atendem à esposa do Cordeiro são virgens puras, sem mácula e sem defeito. Mas como Jesus nos tornará imaculados? Ele nos lavará no Seu próprio sangue, até estarmos livres do nosso pecado, tão alvos e limpos como o mais puro anjo de Deus; e vestiremos a Sua justiça, a justiça que torna o santo que a usa absolutamente imaculado; sim, perfeito à vista de Deus. Seremos inculpáveis e irrepreensíveis até mesmo aos Seus olhos. Sua lei não terá qualquer efeito sobre nós, mas será engrandecida em nós. Além disso, a obra do Espírito Santo dentro de nós estará totalmente finalizada. Ele nos tornará tão perfeitamente santos, que não teremos mais aquela inclinação persistente para o pecado. O raciocínio, a memória, a vontade ━ todo poder e paixão será liberto da escravidão do mal. Seremos santos como Deus é santo, e em Sua presença habitaremos para sempre. Os santos não ficarão deslocados no céu, sua beleza será tão grande quanto o lugar preparado para eles. Oh, que hora sublime aquela, quando as portas do céu forem abertas, e nós, tendo sido feitos idôneos à nossa herança, habitaremos com os santos na luz. O pecado destruído, Satanás expulso, a tentação cessada para sempre e, nós, “imaculados” diante de Deus; de fato, este será o céu! Regozijemos agora, ao ensaiarmos o cântico de louvor eterno que em breve será elevado em coro por todo o exército purificado no sangue do Cordeiro; imitemos a exultação de Davi diante da arca como prelúdio do nosso deleite diante do trono.
Tradução: Mariza Regina de Souza

9 de outubro - Devocional Matutina

“poderoso para vos guardar de tropeços” ━ Judas 1:24
Em certo sentido, o caminho para o céu é bastante seguro; mas em outros aspectos, não existe uma estrada tão perigosa. Ela é cheia de dificuldades. Um passo em falso (e como é fácil acontecer, quando a graça não está presente) e lá vamos nós. Como é escorregadio o caminho que alguns têm de trilhar! Ah, quantas vezes temos de exclamar com o salmista: “Quanto a mim, porém, quase me resvalaram os pés; pouco faltou para que se desviassem os meus passos”. Se fôssemos montanhistas fortes e experientes, isso não seria problema; mas, em nós mesmos, como somos fracos! Nos melhores percursos, logo começamos a coxear, nas trilhas mais planas, não demoramos a tropeçar. Nossos joelhos fracos e trôpegos mal conseguem sustentar o peso do nosso corpo. Uma coisinha de nada pode nos derrubar, uma pedrinha pode nos ferir; somos criancinhas hesitantes dando os primeiros passos na fé; nosso Pai celeste tem de nos segurar com Seus braços, senão logo caímos. Ah, quão bendito é o paciente poder que nos guarda de tropeços, cuidando de nós dia após dia! Pense em como somos propensos a pecar, em como somos bons para nos envolver em perigo, em como é forte a nossa tendência para ficar deprimidos, e esses pensamentos nos farão cantar como jamais cantamos: “Glória Àquele que nos guarda de tropeços”. Temos muitos inimigos tentando nos derrubar. A estrada é difícil e somos fracos, mas, além disso, os inimigos ficam à espreita, para nos assaltar quando menos esperamos, e lutam para nos derrubar ou nos atirar no precipício mais próximo. Só um braço Todo-Poderoso pode nos guardar dos inimigos invisíveis, que procuram nos destruir. Este braço está pronto a nos defender. Fiel é Aquele que fez a promessa e é poderoso para nos guardar de tropeços, de modo que, com uma compreensão mais profunda da nossa absoluta fraqueza, possamos nutrir a firme convicção da nossa perfeita segurança, e dizer, com alegria e confiança:
Unidos contra nós estão terra e céus
Mas ao nosso lado está o poder de Deus
Jesus é tudo, e é todo, daqueles que são Seus
Tradução: Mariza Regina de Souza